Sinopse:Nós somos só filhos!  nos apresenta um texto que fala sobre a mitologia indígena, mostrando que somos filhos da água, da terra, do fogo e do ar, mas no fundo nós somos só filhos da natureza. o livro foi planejado para ter 32 páginas, ao longo das quais se distribuem os textos de Sulamy Katy, em pequenos fragmentos. Este livro narra e integra criança, bicho e mata, liberta bons espíritos por meio de palavras. Todas as pinturas foram feitas sem esboço ou ideia prévia. O ilustrador se deixo
Meneguettis
Product ID: 3522
Product SKU: 3522
New In stock />
NOS SOMOS SO FILHOS!

NOS SOMOS SO FILHOS!

Marca: Meneguettis Referência: 9788579330292

Carregando...
Simulador de Frete
- Calcular frete

Sinopse:

Nós somos só filhos!  nos apresenta um texto que fala sobre a mitologia indígena, mostrando que somos filhos da água, da terra, do fogo e do ar, mas no fundo nós somos só filhos da natureza. o livro foi planejado para ter 32 páginas, ao longo das quais se distribuem os textos de Sulamy Katy, em pequenos fragmentos. Este livro narra e integra criança, bicho e mata, liberta bons espíritos por meio de palavras. Todas as pinturas foram feitas sem esboço ou ideia prévia. O ilustrador se deixou levar pelo fluxo e pelos motes oferecidos por cada trecho do poema. As pranchas foram depois digitalizadas, tratadas e ajustadas para as dimensões do livro e necessidades do projeto gráfico, resultando neste primoroso trabalho.

Ilustrado por: 
Mauricio Negro que é um artista gráfico, ilustrador e escritor brasileiro. Colaborou com mais de cem livros de escritores brasileiros e estrangeiros ao longo de mais de vinte anos. Participou de diversas exposições e catálogos no Brasil e no exterior. Faz monotipias, colagens e pirogravuras. Usa pigmentos naturais, material reciclado, elementos orgânicos e recursos tecnológicos, em geral motivado pelos conteúdos e contextos narrativos. Como artista costuma flertar com registros rupestres, ancestrais, étnicos, indígenas, populares e relacionado às culturas circulares. Propõe cruzamentos poéticos entre expressões tradicionais de brasilidade e demandas contemporâneas universais.


Temas:
Natureza; Fogo; Ar; Água; Terra; Sobrevivência; Mar; Lua; Noite; Passarinho.

Gênero:
Nacional.

Literatura:
Infantil

Autor:
Sulami Katy

Páginas:
32

Acabamento:

Brochura


ISBN:
9788579330292

Ano de Edição:
2011


Idioma:
Português 

Produto Digital:
Não

Dimensões:

21 x 23



Autor:

Sulami Katy tem muita história para contar. A começar por uma diferença marcante que tem em relação à maioria dos jovens tão brasileiros quanto ela: Sulami nasceu numa aldeia potiguara, no litoral da Paraíba. Isso significa que ela é descendente de um povo indígena que habita o nordeste do Brasil desde muito antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro.

Essa particularidade proporcionou à jovem uma trajetória de vida repleta de elementos que muitos só conhecem por meio dos livros: o convívio intenso com a natureza, os rituais sagrados, as palavras sábias do pajé, a arte de preparar o beiju, passada de geração em geração há século.

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Características



    ESCRITORA

    Sulamy Katy

     

    Eu sou Sulamy, nasci na Paraíba e fui contemplada com a graça de ser filha dos Potiguaras. Passei a infância brincando de índio, literalmente. Acordávamos com o cheiro do beiju com peixe assando e o barulho do mar nos chamando para festejar a vida, que se iniciava fora de casa. O sol despontava e fazia brilhar aquela imensidão de mar, não havia relógio, e o tempo passava de forma lenta.

    Lá na aldeia me chamam de Katy e juntamente com as outras crianças eu participava das festas cantadas nos tantos ritos que regia aquele povo. Corríamos, nadávamos, tínhamos tempo só para sermos crianças e sermos felizes. À noite, sentávamos em volta das fogueiras acedidas  pelos mais velhos e ouvíamos as suas histórias povoadas de ventos assombrosos e de mundos encantados. Pouco depois era hora de dormir e deixar o espírito caminhar para o mundo maravilhoso dos sonhos, percorrer o caminho dos antepassados, encontrar nosso lugar naquele mundo!

    Um dia decidi que queria conhecer outros mundos, assimilar novos conhecimentos, e entrei para a Universidade Federal da Paraíba, no curso de engenharia química. Por quê? Simplesmente porque quis entender a química que rege a nossa vida, e o porquê de o ser humano precisar de tantos produtos...

    Quanto a escrever, não escrevo por profissão, escrevo somente porque me dá prazer, e porque quando escrevo posso aliar os ensinamentos que aprendi destes mundos nos quais a vida me concedeu o direito de participar.

    Esta é a minha biografia, ainda em processo de construção, talvez um dia quando eu souber mais sobre mim, eu escreva algo mais. Por enquanto é isso!

     

     

    ILUSTRADOR
    Mauricio Negro

     

    Dei sorte. Lá em casa, nunca podaram minhas asas. Devo isso aos meus pais. Vivi cercado de música, de livro, de bicho, de folha, de conversa. Ora na cidade. Ora no mato ou na praia. Prefiro as duas últimas opções. Cidade me lembra obrigação, horário, fumaça. Qualquer biblioteca, verde ou azul, arrebata mais. Sou leonino, filho de peixes, de pai boleiro e sambista. Da mãe herdei tintas, lápis, trinchas, canetas e pincéis. E o gosto pela palavra. Hoje, no risco e no rabisco, faço e vivo de poesia, que é um trabalhoso privilégio.

    Já ilustrei mais de uma centena de livros de diversos autores. Ganhei alguns prêmios e participei de catálogos, debates, oficinas e exposições no Brasil e mundo afora. Também escrevo e ilustro meus próprios livros, nos quais boto um tanto de Brasil, de mim e do mundo. As tradições nativas, a riqueza e a diversidade da expressão popular brasileira me encantam. Por isso, adoro colaborar com projetos de temática étnica. Seja como ilustrador, designer, escritor ou mesmo editor. Gosto de expor as raízes, achar pepitas, fósseis e sedimentos. Sempre na ânsia de compartilhar o que descubro. Tenho ilustrado e projetado muitos livros de autores indígenas. Primeiro, sempre mergulho na identidade cultural de cada povo. Depois, tiro minha licença poética para reinterpretar, com técnicas e abordagens diferentes, suas perspectivas e sentidos. 

    Confira também